AMAVIDA, COM APIME, IDESA, AGRUTAC E APOIO DO ISPN, LANÇA CAMPANHA

PELA CRIAÇÃO SUSTENTÁVEL DE ABELHAS NATIVAS OU EXÓTICAS

  

O Grupo Gestor reúne para aprovar campanha 2016 e lançar o novo sítio da Amavida
(Foto de João Otavio Malheiros)

   A Associação Maranhense para a Conservação da Natureza-AMAVIDA, em parceria com a Associação Pernambucana de Apicultura e Meliponicultura-APIME, o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental-IDESA, a Associação dos Agricultores Ruralistas de Tabocas-AGRUTAC, e com o apoio do Instituto Sociedade, Populações e Natureza-ISPN, lança a sua Campanha 2016, dedicada integralmente à promoção da regulamentação ambiental da criação de abelhas, nativas ou exóticas, observados os princípios sociais e ecológicos e não exclusivamente com os olhos postos no mercado.

   A campanha, cuja primeira fase é voltada para o Brasil e os países de língua portuguesa, se explicita por meio do Manifesto pela regulamentação da criação de abelhas exóticas e nativas: Um futuro seguro para nossas abelhas. No documento, elaborado em colaboração da Amavida com a Associação Pernambucana de Apicultores e Meliponicultores-APIME (PE), com consultas ao Instituto Sociedade, População e Natureza ISPN (DF) e a diversos pesquisadores científicos das abelhas, está a análise do contexto da criação de abelhas no mundo e no Brasil, das principais ameaças e das atitudes atuais e futuras que são cobradas dos protagonistas.

   “Se há uma crise ameaçando as abelhas, a espécie que é a principal na economia não é a mais ameaçada na ecologia. Curiosamente, o setor da Apis mellifera está agindo em desproporção à sua dimensão social e ambiental, em detrimento da conservação e da criação das demais espécies, que são tão ou mais nossas, porque são nativas, do que a espécie mais empoderada economicamente, que é uma espécie exótica”, dizem os redatores de Um futuro seguro para nossas abelhas.

   Dentre os principais objetivos da Campanha, estão a adoção de legislação e política pública de fomento equitativas para a apicultura, entendida como criação de Apis mellifera, e para a meliponicultura, a criação de espécies nativas de abelhas Melipona, tais como as popularmente conhecidas por tiúba, jandaíra, mandassaia, tubi, jataí, uruçu... etc. Por isso, os principais alvos da campanha, na primeira fase, são os legisladores e os gestores respectivamente responsáveis.

   Para conhecer o manifesto e participar da campanha Um futuro seguro para nossas abelhas, acesse o manifesto completo e formalize sua adesão e registre o apoio.